04/05/2018

Resenha: O Que Restou

“Naquele dia aprendi que não importa o quanto o tom de voz de uma pessoa seja insistente, não importa quantas vezes ela te faça a mesma pergunta, talvez ela não queira de fato uma resposta.” Pág. 75


Autora: Alexandra Oliva
Editora: Rocco
N° de Páginas: 320
Nota:




Sinopse: Um reality show de sobrevivência numa floresta, doze competidores testando seus limites, uma catástrofe capaz de pôr em dúvida nossa percepção do real. Romance de estreia de Alexandra Oliva, O que restou é um inquietante suspense de toques pós-apocalípticos.

Na trama, Zoo e mais 11 concorrentes enfrentam as provas de um reality show ambientado numa floresta hostil, quando seu país é destruído por uma catástrofe em larga escala. Em meio ao esgotamento físico e psicológico e a um cenário assustadoramente devastado, Zoo reflete sobre a vida que deixou para trás, questionando as regras do jogo para o qual se candidatou. E enquanto luta para não ser eliminada, percebe que o mundo por trás das câmeras pode ter mudado drasticamente, sem que ela tenha se dado conta.


Opinião: “O que restou” é um thriller com muita ação, suspense e emoção, todos em dosagens gigantes para fazer com que o leitor se apaixone pela obra.

Assim que iniciei a leitura, me senti um pouco perdida na história, achando o enredo muito bagunçado e com pontos soltos, principalmente por dois motivos:
1) O primeiro capítulo aborda um aspecto do enredo que será novamente retratado do meio para o final do livro, o que cria um desconexão com os capítulos seguintes que fazem apresentação do reality e dos personagens;  
2) Nos deparamos com 12 personagens, e a autora inicialmente nos apresenta cada um deles com adjetivos e não por nomes, até esse ponto não vi problema. A partir do meio do livro, onde os capítulos começam a ser narrados pela personagem principal, Zoo, a mesma se refere aos colegas de reality por nomes que eram desconhecidos para mim, chegou certo momento em que não conseguia mais saber quem era quem.

Além desses aspectos abordados, outro ponto no finalzinho do livro me incomodou, a autora terminou a obra deixando algumas partes para serem encerradas pelo leitor, ou seja, cada um usa sua imaginação e cria o desfecho que preferir, algo que eu particularmente não gosto quando acontece, e foi esses os motivos que me fizeram dar 4 nuvens ou invés de 5 para o livro.

Em suma, posso dizer que gostei muito do livro, foi uma leitura surpreendente em muitos aspectos. A proposta da autora para essa obra foi incrível, e acredito que o objetivo dela foi concluído com sucesso, pois colidir universos totalmente diferentes e colocá-los juntos em um reality que testa os limites físicos e psicológicos de cada personagem, acaba intrigando e estimulando o leitor para desvendar o mistério que paira a cada capítulo.

Em muitos momentos encontrei semelhanças do enredo com a série The Walking Dead, com os cenários pós-apocalípticos e a luta pela sobrevivência, com cenas de invasão de lojas e supermercados. E com a série de livros Jogos Vorazes, onde as semelhanças são mais encontradas com as descrições do reality, com as cenas de ação e os desafios que precisam ser cumpridos diariamente. Recomendo essa leitura para que gosta das referências citadas ou para quem curte um bom thriller.

28/04/2018

Resenha: A Outra Sra. Parrish


“É uma empatia inadequada, uma tentativa equivocada de salvar alguém que não pode ser salvo.” – Pág. 302

Autora: Liv Constantine
Editora: HarperCollins Brasil
N° de Páginas: 432
Nota:





Sinopse: Amber Patterson não aguenta mais. Está cansada de ser uma ninguém: uma mulher sem graça e invisível que não se destaca na multidão. Ela merece mais – uma vida de dinheiro e poder como a que Daphne Parrish, a deusa loira dos olhos azuis, tem e não valoriza. Para todos na pequena cidade de Bishops Harbor em Connecticut, a socialite e filantropa Daphne e seu marido Jackson, o magnata do mercado imobiliário, são um casal que parece recém-saído de um conto de fadas. A inveja de Amber poderia consumi-la por dentro... Se ela não tivesse um plano. Amber usa da compaixão de Daphne para se inserir na vida da família – o primeiro passo de um esquema meticuloso para destruí-la. Em pouco tempo, ela se torna a amiga mais próxima de Daphne, vai para a Europa com os Parrish e suas duas belas filhas, e se aproxima de Jackson.

No entanto, um fantasma de seu passado pode destruir tudo que ela construiu e, se seu segredo for descoberto, seu plano perfeito pode ir por água abaixo. 


Opinião: Essa foi uma das melhores leituras de 2018. “A Outra Sra. Parrish”, é um thriller com uma abordagem diferente das outras obras do gênero. Em suma, os livros iniciam rodeados de mistérios e fazem com que o leitor descubra quem é o vilão da história, nessa obra específica, as irmãs Constantine criaram um enredo que desde o primeiro capítulo já temos uma vilã, e o melhor de tudo, é que a primeira parte do livro é narrada por essa vilã, Amber, ou seja, conseguimos de certa forma adentrar os pensamentos dela que são cheios de ambição e busca pelo poder.

Em minha opinião, essa obra teve a melhor construção de enredo que pode-se imaginar, se o objetivo era levar o leitor ao ápice da emoção e da ansiedade ele foi concluído com sucesso. Os personagens deixam sua marca no leitor, tanto postiva como negativamente. A cada capítulo, cada descrição, me sentia parte da história. O enredo desperta o insólito no leitor, consegue persuadir de tal forma que ficamos envoltos em verdades e mentiras que não conseguimos distinguir.

A obra é dividida em três partes, a primeira narrada pela vilã, Amber; a segunda narrada pela esposa, Daphne; e a terceira parte, do desfecho, é narrada por um narrador na 3° pessoa, que não participa diretamente da história. Há muito tempo que não lia algo com vários narradores, o que é incrível, pois conhecemos a perspectiva de cada um deles referente aos inúmeros acontecimentos da obra. É uma leitura densa, com descrições detalhadas a cada capítulo, em alguns momentos tive a impressão que o enredo estava fazendo voltas ao redor do mesmo personagem e não evoluía, principalmente nos primeiros capítulos. Porém, estava tão absorta na leitura que esse detalhe não foi um empecilho.

Recomendo “A Outra Sra. Parrish” para os apaixonados pelo suspense, para aqueles que já assistiram e amaram o filme “A mão que balança o berço” e já leram outras obras como “Garota exemplar” e “Cuco”.  É um livro que desconstrói nossa ideia inicial a cada capítulo, onde o desfecho é imprevisível e reviravoltas acontecem a todo instante. 



21/04/2018

Resenha: Impiedosa


Autora: Danielle Vega
Editora: Fantástica Rocco
N° de Páginas: 272
Nota:





Sinopse: Brooklyn Stevens está no meio de uma poça do seu próprio sangue, com os braços e as pernas amarrados e a boca vedada. Ninguém fora daquele porão sabe que ela está ali. Ninguém pode ouvir seus gritos.

Sofia Flores tem certeza de que não devia ter se envolvido nessa história. Quando fez amizade com as garotas populares da escola no primeiro dia de aula, ficou encantada com seus cabelos perfeitos e seus modos comportados. Elas disseram que queriam salvar Brooklyn. Que queriam ajudá-la. Sofia não percebeu que, na verdade, elas acreditavam que a garota tinha sido possuída pelo demônio. Agora, as novas amigas de Sofia estão realizando um exorcismo em Brooklyn - porém sua ideia de exorcismo está mais próxima da tortura do que da salvação. 


Opinião: Quando li a sinopse de “Impiedosa” tive a certeza que iria amar a obra, pois de certo modo já conhecia a história. Em diversos filmes e séries podemos encontrar um enredo parecido com o do livro: menina nova na escola que precisa fazer amizade; grupo de meninas populares; menina excluída que vira chacota e amizades que são construídas a base de mentiras. Para a construção do enredo, a autora inspirou-se superficialmente nesses temas e voltou sua atenção para assuntos como exorcismo e tortura, foi assim que “Impiedosa” tornou-se um suspense que roubou toda a minha atenção.

O perfil da obra é para um público mais jovem, não me importo muito com esse fator, pois gosto de variar entre gêneros e escritas, para mim, a leitura fluiu de maneira quase imperceptível, os capítulos são em sua maioria curtos, com muitas narrativas intensas ou com uma série de acontecimentos repletos de ação que torna-se impossível o leitor cansar-se da leitura, terminei a leitura em menos de 24 horas (acho que foi o meu recorde do ano). É possível perceber o cuidado da autora no momento da criação do enredo e dos personagens, tudo parece possuir uma riqueza de detalhes, o que é de suma importância para entendimento completo da história.

Como todo suspense, o leitor deve iniciar a leitura compreendendo que nem tudo que for lido deve ter-se como verdade, certo?! Seja para descobrir quem está por trás do crime ou quem está mentindo. Porém, durante a leitura, a autora conseguiu me deixar confusa e me fez acreditar e duvidar, ao mesmo tempo, de quase todos os personagens, o que elevou ainda mais a minha expectativa para o desfecho da obra. A leitura foi um misto de emoções, hora torcendo para um personagem e hora o odiando. As descrições das cenas de tortura me deixaram angustiada, como se eu estivesse vivendo a dor do personagem ou estivesse presente naquele exato momento, posso dizer que a forma como a autora expressa-se na escrita é intensa e diferente da maioria dos autores que já li.

Recomendo esse livro para os apaixonados pelo suspense, pelo terror. Uma obra diferente das outras, com um desfecho que para mim era impensável, que me deixou suspirando e com gostinho de quero mais. Um livro capaz de atiçar o medo e o insólito, que daria, sem duvida, uma ótima adaptação cinematográfica. 


Quotes favoritas:
“As palavras têm poder, mi hija. Quando você confessa seu pecado em voz alta, você admite aquilo pra você mesmo e pra Deus.” Pág. 193

“O mal paira ao redor de nós, espesso e sufocante. Eu não poderia correr agora, nem mesmo se quisesse. O ar, como uma lama, faz meus braços e pernas pesarem, segurando-me no lugar.” Pág. 263

07/04/2018

Unboxing: Ateliê Artes e Manhas


O post de hoje é um unboxing super especial direto do mundo invertido. O Ateliê Artes e Manhas agora é parceiro do blog, e para comemorar essa novidade incrível vim mostrar em detalhes tudo o que eu recebi da loja para vocês! ;)


❤ Chaveiro Alice:

O primeiro item que eu recebi foi um chaveiro super fofo da Alice feito de biscuit. É um produto que além de ser rico em detalhes, é de ótima qualidade, perfeito para acompanhar os apaixonados pelo País das Maravilhas em todos os lugares ou ser uma opção de lembrancinhas de festas infantis.


❤ Marcadores de páginas:

Quem ama livros consequentemente ama marcadores de páginas, né?! Eu particularmente  adoro colecionar e com certeza esses que eu recebi se tornaram os meus favoritos. Dois deles, o de unicórnio e o de ursinho, são feitos de biscuit. Os outros são de papel com gatinhos (sim, eu disse gatinhos) em diversas posições com livros. Todos são super lindos e delicados, além dos de biscuit serem de ótima qualidade. Vão ser os meus companheiros de leitura! <3



Personagem de biscuit:

O último item que eu recebi, mas o mais esperado, é o personagem Demogordon da série Stranger Things feito com biscuit. O ateliê é especializado em criar os personagens que amamos em biscuit para adicionarmos ou começarmos a nossa coleção. Eu fiquei simplesmente encantada por ser uma peça com uma riqueza em detalhes (que é super possível ver na imagem), por ser de excelente qualidade e ainda pelo fato de vir super bem embalado, com plástico bolha, para que a peça chegue em perfeito estado ao cliente.


Além dos itens mostrados nesse post, há outras peça feitas de biscuit que vocês podem conferir lá no instagram do Ateliê ou na loja deles, os links estarão aqui embaixo. Fico extremamente feliz em trazer para o blog lojas que atendem muito mais que a necessidade do público, que colocam excelência e carinho a cada produto criado.


23/03/2018

Resenha: Coragem

Autora: Rose McGowan
Editora: HarperCollins Brasil
N° de Páginas: 288
Nota:




Sinopse: ROSE McGOWAN nasceu em um culto e o trocou por outro, mais visível: Hollywood. Rose McGowan se tornou uma das atrizes mais desejadas de Hollywood da noite para o dia quando foi "descoberta" nas ruas de Los Angeles. O estrelato logo se tornou um pesadelo de exposição constante e sexualização. Todos os detalhes de sua vida pessoal se tornaram públicos, e as realidades de uma indústria inerentemente machista emergiam a cada roteiro, papel, aparição pública e capa de revista. Hollywood esperava que Rose ficasse quieta e cooperasse. Em vez disso, ela se rebelou e impôs sua verdadeira identidade e voz.

Ela reemergiu sem roteiros nem desculpas, corajosa, controversa e sempre verdadeira. Liderando o movimento de denúncias de assédio sexual na indústria de entretenimento ao expor os crimes de Harvey Weinstein, Rose é hoje um dos rostos do movimento feminista e não hesita ao disparar verdades inconvenientes e exigir mudanças.CORAGEM é seu livro de memórias em forma de manifesto - um relato sem censura nem piedade da ascensão de um ícone millennial, uma ativista sem medo e uma força de mudança imparável determinada a expor a verdade sobre a indústria do entretenimento, trazer à luz uma indústria multibilionária construída sobre a misoginia sistêmica e empoderar pessoas ao redor do mundo a acordarem e terem CORAGEM.


Opinião: Quando recebi o exemplar de “Coragem”, não sabia o que iria encontrar a cada capítulo. Não sabia que a leitura poderia me fazer enxergar pontos da sociedade que até então eu nunca havia questionado. “Coragem” se tornou o livro mais inspirador que eu já tive a oportunidade de ler. É uma leitura válida e atual, que deveria chegar nas mãos de cada pessoa da sociedade.

A escrita de Rose McGowan faz com que o leitor tenha a impressão de estar lendo um diário, pois os capítulos fluem muito bem. Já o conteúdo que encontramos neles, são tensos e me fizeram prender o fôlego em várias descrições. A autora aborda inúmeros temas de extrema relevância e importância para a sociedade evoluir como um todo.

Rótulos impostos pela sociedade à meninas desde a infância; relacionamentos abusivos; desigualdade de gênero; sociedade machista onde o poder está nas mãos de homens ricos; agressões: físicas, sexuais e verbais. É isso que você irá encontrar a cada capítulo. Não é “mimimi”, é veracidade, é enxergar uma realidade enfrentada por inúmeras mulheres todos os dias ao redor do mundo sob a perspectiva de uma SOBREVIVENTE.

Além de conseguir transmitir o que as mulheres sentem, Rose descreve os inúmeros abusos que sofreu em Hollywood, e em um ano onde as atrizes gritaram aos quatro ventos do tapete vermelho “The Time is Up”, dizendo fim aos abusos que sofriam, o leitor tem mais uma chance de entender que nem tudo é glamour para as atrizes.

Acredito que Rose deu voz a milhões de mulheres. Não tenho críticas a fazer ao livro, apenas agradecer pela coragem de Rose por compartilhar essas histórias com o público. Histórias reais, sobre ter coragem, sobre ter voz em uma sociedade que tenta nos calar. É sobre não seguir rótulos, é sobre ser mais que um “objeto” masculino. É sobre liberdade. No fim do livro, entendi mais do que nunca que precisamos da mudança. Você não está sozinha nessa luta. Denuncie. Sempre tenha CORAGEM!


Quotes favoritas:
“Não se curve para fazer os outros se sentirem mais altos.” Pág. 50

“As mulheres sabem quando foram agredidas emocional, física ou verbalmente. E nenhum homem tem o direito de dizer ao contrário.” Pág. 118

“Recado à sociedade: você sempre deve perguntar se uma mulher precisa de ajuda se achar que ela foi agredida. Faça a coisa certa. Tenha coragem e seja forte.” Pág. 180

“Precisamos proteger as meninas desse tipo de situação dizendo desde o nascimento que elas valem tanto quanto os meninos. Eu queria ter sabido disso antes. Que nossas carreiras e nossos empregos importam da mesma maneira, que temos muito potencial e poder dentro de nós - quando não dez vezes mais. Se criássemos nossas meninas direito e não enchêssemos a cabeça delas com casamentos de contos de fadas e príncipes encantados, com conselhos de revistas de beleza ensinando o que um homem quer e como agradá-lo e prendê-lo, muitas meninas não se apaixonariam por homens perigosos, não  se meteriam em situações perigosas. Pág. 197

“Refletir e dar a si mesmo um tempo sem tv, internet e música, ouvindo o som da sua mente, é algo incrivelmente importante.” Pág. 244

"Não estão cansadas de competir com outras mulheres? Não estão cansadas de ideias da sociedade que beneficiam os homens e nos incentivam a ficar umas contra as outras? Por que não ajudar a mulher ou a garota ao seu lado?" – Pág. 264

"É o seu tempo, é tudo o que você tem, até onde sei, então por que passar esse tempo deixando os outros felizes se você mesma não está feliz?" – Pág. 266